Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Sílabas de Algodão

Sílabas de Algodão

Numa tarde de Calor

26.11.23 | comentar
    Pela cidade eu deambulo, Pelas ruas estreitas eu ando, Com edifícios de grandes dimensões, Casas coloridas, abandonadas a decair.   Com a bola a juventude jogava, Ao pé do rio de mar azul como o céu, Barcos cheios de cidadãos eu (...)

Cheiro Audível

26.11.23 | comentar
  Numa manhã na Lisboa amada, Ouve-se o comboio vindo de Almada E este cheiro inconfundível Tem um som demasiado audível. Ouvem-se as sirenes, Ouvem-se as missas solenes, Do alto de Santo Amaro Vê-se algo muito raro. Sinto-me estranho ao (...)

Escadarias de Cansar

26.11.23 | comentar
  Deambulo pela cidade nublada  Entre rua e estrada, Cães a ladrar e pessoas a andar  E escadarias de cansar.   Oiço os carros, Cheira a gasolina, A ponte alta tão barulhenta  Que na cidade se salienta.   Sempre que passo por cá, Tenh (...)

Vagueio Pelas Ruas

26.11.23 | comentar
  Vagueio pelas ruas Onde o trânsito perturba a minha paz, Vejo as árvores nuas, E a natureza tranquilidade me traz!   Sinto muita fome, Passo pelo Burger Range. Com as memórias que tenho de lá, A fome desaparece!   Pela cidade estão (...)

Ponte Vermelha

26.11.23 | comentar
  Uma manhã atribulada em Lisboa…  Já está bom tempo, A energia é devidamente boa, Por isso quero divulgar o sentimento.   Obras na cidade,  Muito ruído,  Vejo passar a idade,  Muitos sítios onde já devia ter ido.   Ponte vermelha, (...)

O Novo e o Velho

26.11.23 | comentar
  Nesta cidade atribulada, Ando por uma rua estreita Onde a confusão reina E de paz não há nada.   Cidade onde tudo parece tão grande, Mas insignificante ao mesmo tempo. Cidade tão portuguesa, mas tão estrangeira, Onde só existe (...)

Jovem Ativista

26.11.23 | comentar
  Agora no cimo da cidade, Depois de por ela deambular, Sinto em mim uma enorme infelicidade. Minha cidade, no que te estás tu a tornar!   Onde o silêncio é roubado Pelo ensurdecedor ruído do comboio, Sinto a necessidade de fazer um apelo:  Lusita (...)

Pela Cidade

26.11.23 | comentar
  Nesta cidade, com tanto de diferente para ver, enxames de carros como uma manifestação  que largam um cheiro horrível a poluição,  não sendo a cidade que todos dizem ser linda de ver.   Pessoas que fazem exercício nestas condições,  pertur (...)

Sem Saber

26.11.23 | comentar
    Pelas ruas de Alcântara deambulo Sem saber o que me espera  E vou-me apercebendo da realidade, Do quão triste e depressiva a cidade pode ser.   Nunca existe nem um segundo de silêncio, Só se ouvem os carros, os comboios, o trânsito, S (...)

O Sino da Igreja

26.11.23 | comentar
  Em Alcântara eu passeio, Em Alcântara eu devaneio, O sino da igreja toca  Enquanto vejo uma minhoca.    As marteladas dos pedreiros,  Os comboios a chiar, Uns senhores muito guerreiros Que me deixam a pensar.   Na travessa do calvário Pou (...)